Home / Nutrição / Alimentação Saudável / Açúcar: Bandido ou Mocinho?

Açúcar: Bandido ou Mocinho?

açucarQuando as pessoas vão à nutricionista, facilmente encontram na parede uma pirâmide alimentar, cuja base está localizado o  carboidrato. Este por sua vez, quando ingerido, transforma-se em açúcar. Apesar de ser considerado um vilão e ser um dos causadores do ganho de peso e de diabetes, é importante sabermos a função dele, as suas variações, os benefícios e os malefícios.

“O açúcar é um termo genérico para alguns carboidratos, principalmente sacarose, lactose e frutose. Os carboidratos não estão presentes apenas nos alimentos doces! Eles podem ser de rápida ou lenta absorção, dependendo de suas características e são classificados em três categorias: açúcares (frutas, verduras, mel, leite), amidos (batata, pão, arroz, massas), fibras (farelo de trigo, aveia)”, enumera a nutricionista Nicole Trevisan.

Depois de o carboidrato ser quebrado, ele se transforma em glicose, principal fonte de energia para o organismo e faz bem se consumida na medida certa. “É a responsável pelo fornecimento do combustível para o cérebro, medula, nervos periféricos, células vermelhas do sangue, dentre outras. Por isso é essencial ao bom funcionamento do organismo. Sua ausência na dieta pode causar transtornos como moleza, sonolência, perda de memória e de concentração, dor de cabeça e, em alguns casos, desmaios. Isso porque a queda de açúcar no sangue diminui as funções cerebrais. No entanto, quando consumido em excesso, o carboidrato pode levar a danos à saúde como resistência insulínica, síndrome metabólica, obesidade, aumento de triglicérides, dentre outros”, detalha Nicole.

Para entender como é o processo de digestão, Nicole explica “vários alimentos contêm carboidratos (polissacarídeos e dissacarídeos). Eles são quebrados em pequenas partículas, sendo transformada em glicose. Esta é disponibilizada na corrente sanguínea para ser distribuída por todo o organismo, produzindo energia.  Para que a glicose possa entrar nas células, ela precisa do auxílio da insulina. A digestão dos carboidratos se inicia na boca com a mastigação, que fraciona o alimento e o mistura com a saliva. Durante esse processo, a enzima amilase salivar inicia a quebra do carboidrato. No estômago, ocorrem contrações das fibras musculares da parede estomacal, as quais têm a função de misturar as partículas dos alimentos com secreções gástricas (que não contém enzimas digestivas específicas para a quebra do carboidrato), fazendo com que o carboidrato vá para a parte final do estômago e início do intestino. Após esse processo, a massa alimentar transforma-se em uma massa espessa chamada quimo, que irá ocupar o duodeno, a primeira porção do intestino delgado. Dentro dessa região, a digestão do carboidrato é finalizada através das secreções do pâncreas e intestino, fornecendo vários substratos ao organismo, dentre eles a glicose”.

É claro que não há uma receita de quanto de carboidrato devemos consumir, pois varia de pessoa para pessoa, de acordo com o sexo, idade, peso, altura, atividade física, além de ter ou não determinadas doenças. “Sabe-se que quanto menos componentes artificiais, mais saudável será a alimentação. O açúcar é essencial para manter o organismo funcionando. Mas, depende da sua origem e composição e da quantidade diária ingerida. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que o consumo do açúcar não ultrapasse 10% das calorias na dieta. Por exemplo: um adulto que consome 2.500 calorias por dia, não deve ultrapassar 250 cal/dia de açúcar. Cada grama do carboidrato contem quatro calorias; logo, a ingestão de açúcar deveria ser no máximo de 62,5g, que em medidas caseiras, é cerca de ½ xícara de chá do tipo refinado”, elucida a nutricionista.

Por isso, nós temos a necessidade de ingerirmos açúcar ou formas de carboidrato para que tenhamos energia para realização de todas as nossas atividades, mas é importante sempre dosar e saber que não é o excesso deste ingrediente que causa diabetes! O que leva ao diabetes é o excesso de ingestão alimentar como um todo (ganho de peso), sedentarismo, herança familiar… Tudo isto leva a uma dificuldade de ação da insulina, que pode causar o aumento de glicose no sangue, o que caracteriza o diabetes, como também descontrolar as taxas de glicemia para as pessoas que têm diabetes, se consumidos em excesso. Nada melhor do que ter equilíbrio na nossa alimentação!

Comentários

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

beenfícios da roma_texto

Você conhece os benefícios da romã?

A romã, cujo nome científico é Punica granatum, originária do Oriente Médio, embora muito conhecida ...