Home / Como lidar com o Diabetes / Coloque a mão na consciência e se questione: como está o controle da glicemia?

Coloque a mão na consciência e se questione: como está o controle da glicemia?

A Pergunta que não pode calar – Como estamos nos tratando?

Dr. César Geremia*

Alimentar-se bem é essencial para gerar e manter a saúde. A alimentação saudável deve começar desde a infância, pois o ser humano aprende por imitação, especialmente a criança. Nessa fase da vida, os neurônios em espelho, especializados em copiar padrões de comportamento, são particularmente ativos. É um período de grande plasticidade cerebral em que criamos hábitos que, muitas vezes se perpetuam para o resto da vida!

Assim, filhos precisam ver os pais se alimentando bem, provando juntos alimentos diferentes, brincando de experimentar. Em casa, por praticidade, nesses tempos “fast”, tendemos a repetir o modelo que funciona: pouca variabilidade e refeições rápidas. Precisamos mudar isso, criando mais espaço para a diversidade alimentar; crianças maiores podem participar do preparo de algumas das refeições e depois provarem o que fizeram.

glicemia-controle

Outro erro que cometemos, talvez por receio de que falte energia para nossos filhos, é compensar a refeição que não foi adequada aos nossos olhos, por certos alimentos processados e industrializados e aí um hábito se cria. Dos 12 meses aos cinco anos de idade, a “birra” é um jogo de poder entre filhos e cuidadores. O cuidador cedeu…um hábito se formou e daí em diante se torna difícil introduzir cardápios alimentares balanceados.

No entanto, devemos lembrar que crianças que ingerem pouca proteína e poucas calorias podem ter o crescimento em estatura e peso afetado. Essa situação está se tornando menos frequente na população brasileira, que tem mostrado nas últimas décadas, uma importante redução na desnutrição e, em contrapartida, um aumento preocupante no sobrepeso e obesidade em todas as faixas etárias. Mais do que isso, a ciência tem mostrado que aquilo que comemos modifica o tipo de bactérias que habitam o nosso intestino (flora intestinal), e estas são capazes de promover fatores de proteção ou gerar processos inflamatórios que aumentam o risco de doenças reumáticas, diabetes, doença inflamatória intestinal, alergias, influenciando até mesmo a maneira como nosso cérebro funciona. Um exemplo disso é a observação de que o consumo de uma dieta gordurosa por poucos dias, já é suficiente para causar o desenvolvimento de bactérias intestinais que geram inflamação e diminuem o efeito da insulina para controlar o açúcar do sangue em modelos animais.

Como regra, a boa alimentação deve ter variabilidade de grupos de alimentos: hortaliças, frutas, grãos integrais, leguminosas, carnes magras, leite e derivados. Devemos reduzir o consumo de embutidos, alimentos processados, sucos de frutas em excesso. Devemos expor a pele ao sol, 20 minutos pelo menos três vezes por semana, essencial para produzirmos vitamina D, responsável por aumentar a absorção do cálcio da dieta, melhorar a saúde óssea em todas as idades e também ajudar no equilíbrio da imunidade.

Em relação aos adultos e pessoas idosas lúcidas, devo dizer que é bom deixarem a teimosia de lado e não ficarem esperando um infarto ou isquemia cerebral ocorrerem para que só assim fiquem motivados a mudar o estilo de vida. A redução do sal e de gordura saturada, bem como o consumo de leite desnatado são práticas simples e muito efetivas para quem tem pressão elevada e alteração do colesterol.

Espero que essa explanação tenha ajudado de alguma forma às pessoas que se encontram com excesso de peso e aqueles que simplesmente estão procurando desenvolver hábitos de vida mais saudáveis para si e para seus filhos. Finalizando esse artigo, deixamos algumas sugestões para você:

Coloque a alimentação dentro do seu planejamento estratégico de vida e tente buscar outras formas de gratificação física e emocional além da alimentar.

Caso você perceba que sozinho não conseguirá driblar esses quilinhos a mais, procure ajuda profissional especializada e estabeleça uma aliança terapêutica, com você no comando!

Lembre-se de perguntar a si mesmo mais vezes: Como será que estarei daqui 2, 5, 10 ou 30 anos da forma como estou me tratando?

Mudar significa melhorar e não deixar de ser quem se é! Mudar é uma das características que nos faz humanos!

Faça a sua escolha!

*Dr. César Geremia é endocrinologista pediátrico, atuante no Grupo Hospitalar Conceição – Instituto da Criança com Diabetes.

Vanessa Pirolo

Jornalista, criadora do blog convivência com diabetes, tem diabetes desde o seus 18 anos, e redatora do Portal DBCV. Quer me conhecer melhor? Então, clique aqui!

More Posts - Website

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

capa

O perigo do overtraining para a sua saúde

Chamamos de overtraining o acúmulo de estresse devido ao elevado volume e intensidade de treinamento, ...