Home / Como lidar com o Diabetes / Conheça mais a fundo a importância de se fazer o exame de dosagem de insulina!

Conheça mais a fundo a importância de se fazer o exame de dosagem de insulina!

Quando é indicado o Exame de Dosagem de Insulina?

Não é muito comum, mas alguns médicos solicitam o exame de dosagem de insulina, feita por amostra de sangue. Mas qual o significado e quando deve ser prescrito?

Segundo o endocrinologista Marcio Krakauer, “este exame mede a quantidade de insulina na corrente sanguínea, mas muitas vezes não reflete a informação correta e em seguida, o médico precisar solicitar a dosagem de peptídeo C”. Este é um fragmento da molécula que dá origem a insulina e é secretado junto e em quantidades equivalentes à insulina secretada. É mais utilizado como um marcador da produção endógena de insulina.

“Não há um quadro clínico estabelecido de solicitação destes exames, mas geralmente é pedido quando queremos enxergar a reserva de insulina, já que a pessoa com diabetes tipo 2 tem uma perda do hormônio e precisa de um medicamento que possa repor o mesmo. Este exame é solicitado em outros casos: quando existe um quadro de hipoglicemia severa, causado por hiperplasia das células beta ou quando há formação de um tumor das células produtoras de insulina das ilhotas do pâncreas, quadro chamado de insulinoma”, completa o endocrinologista.

Os médicos precisam estar atentos aos resultados destes exames. “Quando a insulina tiver uma quantidade elevada, reflete geralmente um quadro de obesidade ou um nível de resistência à insulina. Quando os níveis de insulina tiverem baixo, a pessoa pode ter um pré-diabetes ou diabetes tipo 1”, comenta Dr. Marcio.

A literatura médica ainda indica que quando a dosagem de insulina estiver alta, pode significar que o indivíduo possa ter alguma endocrinopatia, como: acromegalia (excesso de hormônio do crescimento, caracterizado por aumento dos pés e das mãos, e alterações da face, incluindo protrusão da mandíbula e da testa e aumento do osso nasal), Síndrome de Cushing (caracterizado pelos níveis altos de cortisol), uso de medicamentos de corticoides e de anticoncepcionais ou intolerância à glicose.

Já os níveis baixos, a literatura comenta sobre a indicação de pancreatite crônica (inflamação do pâncreas) e hipopituitarismo (distúrbio causado por diminuição ou ausência de produção de hormônios da hipófise).

“Para pessoas com diabetes tipo 2 e com um quadro de elevação de insulina, é necessário entrar com um medicamento e o médico precisa prescrever a realização de atividade física e uma dieta mais balanceada. E a mesma prescrição e a adição de medicamentos precisam ser feitas no caso de uma pessoa com dosagem baixa de insulina e que já tenha um quadro de diabetes instalado”, finaliza Dr. Marcio.

Comentários

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

juntos

Roche Diabetes Care promove o Programa Juntos & Conectados em Sorocaba

A Roche Diabetes Care criou O Programa de Educação Continuada Juntos & Conectados para levar ...