Home / Exercícios Físicos / Esportes de A - Z / Entenda o amor de Kátya Niglio pelo hipismo!

Entenda o amor de Kátya Niglio pelo hipismo!

Hipismo

katyaCaro leitor, você já deve ter acompanhado em nosso portal, um grande número de matérias que abordam a prática de esportes por pessoas com diabetes. Dessa vez, você terá acesso aos relatos de Kátya Niglio, uma jovem de 29 anos que, há 20 tem diabetes, apaixonada por cavalos desde a infância e real confessa dos benefícios do hipismo em sua vida. Assim, ela comenta “ Quando monto em um cavalo, o meu foco está ali e todo o resto perde a importância; cabeça, coração e alma precisam estar em harmonia e é nesse momento que nos tornamos um só”.

“Além de fortalecer a musculatura, melhorar o equilíbrio e a postura, a paz indescritível que os cavalos e a hípica proporcionam é altamente significante”, relata Kátya.

Há seis meses de sua formatura em Gestão em Marketing e trabalhando no atendimento e tráfego da EBCROSS, agência de publicidade, Kátya não pretende desta vez parar de montar. “Comecei o hipismo com 12 anos e tive de abandonar o esporte por vários fatores como distância, trabalho e só consegui retornar há dois meses. Fui diagnosticada com câncer de tireoide há nove meses e meus médicos aconselharam que eu procurasse praticar algum esporte que me fizesse bem. Depois da cirurgia, jurei a mim mesma que voltaria a andar a cavalo, inicialmente como um hobby, até o dia em que fui convocada para um campeonato pela minha treinadora. Sem dúvida, foi a decisão mais certa que tomei na vida; o hipismo só trouxe benefícios, principalmente no diabetes.

Muitas pessoas acham o hipismo um esporte caro, exclusivo para elites. Em média, o praticante gasta R$300,00 reais por mês e Kátya “jura” que vale cada centavo investido.

A jovem usa bomba de insulina há 16 anos e sempre fez montaria com ela devido à ação da adrenalina aumentar a glicemia. Com a utilização da mesma, estabiliza o nível glicêmico. Ainda declara que sempre faz automonitorização antes e depois e bebe bastante água.

hipismo

Depois de alguns anos sem montar e ter recentemente retornado à prática do hipismo, participou da III Etapa do Ranking do Clube de Campo de São Paulo, campeonato de referência em São Paulo, em junho passado. Para a sua alegria e realização, conquistou o segundo lugar de uma das provas, pelo Centro Hípico Interlagos. Foi um grande desafio enfrentado, mas com o apoio da família e das treinadoras, tudo ficou mais fácil pelo resgate da autoconfiança

“Muitos são os sonhos a realizar, quem sabe um dia participe das Olimpíadas…”, confessa Kátya, mas o mais importante é “continuar participando de campeonatos, onde a descarga de adrenalina provoca aquele arrepio gostoso na barriga e acima de tudo me faz persistir na prática de um esporte que dá tanto prazer e proporciona o contato com os seres que mais amo – os cavalos”.

Comentários

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

monica_print

Conheça a trajetória de Mônica Santos com o Diabetes

Mônica Santos, 31 anos e há 19 diagnosticada com diabetes mellitus tipo 1, licenciada em ...