Home / Nutrição / Alimentação Saudável / Pizza, Torta e Esfiha! deguste estas opções com equilíbrio!

Pizza, Torta e Esfiha! deguste estas opções com equilíbrio!

Aprenda a escolher as opções mais saudáveis de tortas, esfihas e pizzas

pizzaNão é difícil encontrar pessoas com diabetes, principalmente tipo 1, que se queixam muito de ter hiperglicemia, após a ingestão de pizza ou esfiha ou torta. Mas qual é a razão para este fenômeno?

“As massas, de modo geral, são feitas de farinha de trigo refinada. Ingrediente este, que por ser rico em carboidrato, aumenta a glicemia. Devemos considerar também que pizzas, tortas e esfihas também podem ter recheios doces e salgados. Na opção salgada, elas podem ter grande quantidade de gordura, e na opção doce, são geralmente feitas com muito açúcar, o que impacta diretamente na glicemia da pessoa com diabetes”, esclarece Hanna Ferraz, nutricionista na Associação Nacional de Assistência de Diabético (ANAD).

Para diminuir o efeito da elevação da glicemia, Hanna sugere que a pessoa com diabetes faça “escolhas mais saudáveis, preferindo alimentos feitos com farinha de trigo integral e com recheios mais saudáveis, contendo verduras e/ou legumes. No caso da opção doce, o melhor é optar por frutas (porém estas geralmente vêm acrescidas de leite condensado e caramelo, o que pode ser ainda mais prejudicial para a glicemia). Exemplos mais saudáveis podem ser escolhidas: pizza de rúcula com muçarela de búfala, esfiha de escarola e torta de legumes. Estas opções, por conterem alimentos ricos em fibras, ajudam a retardar a absorção da glicose. Se o paciente com diabetes fizer uso de insulina, pode usar o método de ‘Contagem de Carboidratos’  para corrigir a glicemia, ou ainda pode fazer correções segundo orientações médicas”.

Dra. Ivana Nader, endocrinologista, faz um alerta importante nestes casos, “nem todos estes componentes são absorvidos e utilizados em sua totalidade ou na mesma velocidade. O carboidrato é o nutriente que mais afeta a glicemia, quase 100% são convertidos em glicose em um período que pode variar de 15 minutos a 2 horas. Entre 35% a 60% das proteínas são convertidas em glicose em até quatro horas e 10% das gorduras podem ser convertidas em aproximadamente cinco horas ou mais”.

“Em esquema com múltiplas doses de insulina, é feito o bolus para o carboidrato, e quando ingerir uma quantidade maior de proteína ou gordura, é realizada a correção posterior. No caso da pessoa que tem a bomba de insulina como terapia, é preciso aumentar o hormônio basal, no caso de alimentos com uma quantidade maior de proteínas ou gorduras”, completa a médica.

Se caso a pessoa optar pelas opções de tortas, esfihas ou pizzas com queijo, a nutricionista comenta sobre a variedade de queijos. “Há vários tipos, porém as variedades mais conhecidas são compostas de mais gordura, como a muçarela, catupiri, provolone, cheddar e outros. No caso das opções mais saudáveis, com vegetais, é preciso se ater se estas vêm de conserva, como o palmito, tomate seco, alcachofra, aspargos. Estes alimentos contêm muito sódio, o que também é prejudicial ao nosso organismo. Por isso, é recomendado que o consumo seja feito com parcimônia e raramente, e não só para pessoas com diabetes, mas para todos os indivíduos, por não serem parte de uma alimentação saudável. Entretanto, também não é proibido, pois fazem parte de um contexto social e emocional, que devem ser levados em consideração e equilibrados a bons hábitos alimentares”, acrescenta a nutricionista.

Mas Hanna deixa um comentário “não sou a favor de restrições radicais, porém é importante termos disciplina. E é fundamental lembrar que não há receitas exatas para todos, pois o tratamento é sempre individualizado e as condutas mudam de um paciente para outro. Por isso, consulte um nutricionista”!

Comentários

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

beenfícios da roma_texto

Você conhece os benefícios da romã?

A romã, cujo nome científico é Punica granatum, originária do Oriente Médio, embora muito conhecida ...