Home / Como lidar com o Diabetes / Viva com mais otimismo

Viva com mais otimismo

shutterstock_1092362624

“Não desista da vida, deixe suas esperanças e não suas dores moldarem o seu futuro. Se a cada dificuldade encontrada na sua trajetória, você parar, nunca andará para frente e sempre, ficará no mesmo lugar. Por isso, transforme as suas dificuldades em experiências e ajude as pessoas para que não passem pelo mesmo sofrimento. Veja o lado positivo das coisas e não fique se lamentando pelas dificuldades e obstáculos enfrentados no trabalho, na escola, na universidade. Lembre-se de que mar calmo não faz bom marinheiro. Então, faça como a água, não perca tempo lamentando os seus obstáculos e sim, contorne-os!”.

Essa é a mensagem que Isabella Tiutiunic Soares de Mello deixou a todos os leitores do Portal De Bem Com a Vida, uma jovem de 19 anos que há 15 foi diagnosticada com diabetes mellitus tipo 1, atualmente, cursando o primeiro ano da Faculdade de Direito de Sorocaba (FADI).

 

A descoberta do Diabetes

“Certo dia, quando estava entrando na van escolar, a caminho da pré-escola, senti uma sede enorme. Pela minha queixa, minha mãe não permitiu que eu fosse às aulas naquele dia e, imediatamente, me levou à Dra. Alcinda Aranha Nigri, uma endocrinologista pediátrica que, após fechar o meu diagnóstico, me acompanhou por dez anos”.

Mas, se vocês pensam que a história da futura advogada é pautada por uma vida tranquila e sem emoções, estão muito enganados! Estamos falando da atleta faixa azul do Christian Keller, tricampeão mundial do Jiu-Jitsu Brasileiro.

Ela nos contou que sempre teve enorme paixão pelas artes marciais e tentou convencer seus pais que aceitassem a sua escolha pelo MMA, que incluem tanto golpes de combate em pé, quanto técnicas de luta no chão, mas, suas súplicas foram em vão. Hoje, entende a preocupação por parte deles, afinal, não se trata de um esporte “tranquilo”. Decidiu então pela prática do jiu-jitsu, dedicando-se com afinco aos treinos, acabando por ser consagrada campeã regional em São Paulo.

Em 2016, conheceu a Central de Treinamento One do Christian Keller. “Sou outra pessoa desde então; mudei meus hábitos, minha forma de agir e resolver conflitos e minha forma de pensar. O lado emocional influencia demais no equilíbrio do diabetes e, no meu caso, influenciava muito! O estresse excessivo me prejudicava de todas as formas e o jiu-jitsu proporciona evolução corporal, espiritual e, na verdade, se trata de uma filosofia de vida baseada em princípios que vai além do tatame, levo para a condução da minha vida”, relata a atleta.

Como todo esportista, Isabella se preocupa com a alimentação e, além disso, por ter diabetes, os cuidados são redobrados. A duração do treino varia de uma hora e meia a duas horas. Faz uma refeição pré-treino e mede a glicemia. Quando completa uma hora se exercitando, mede a glicemia novamente e no término, realiza outra medição e consome a refeição pós-treino. Usa bomba de infusão de insulina desde os 13 anos de idade, mas não a utiliza durante a prática do esporte, devido ao fato de ser uma modalidade de total contato. “Não uso a bomba nos treinos, pois ela pode enroscar e atrapalhar a desenvoltura no tatame”, explica Isabella.

 

A experiência com a bomba de insulina

A atleta e futura advogada, Isabella, revela ter tido uma experiência muito negativa com a bomba de insulina, cuja marca, prefere não citar. Tudo começou quando foi a uma apresentação do equipamento na Associação dos Diabéticos de Sorocaba (ADS), onde foi extremamente elogiado e, diante de tantos benefícios proporcionados, resolveu fazer o teste de 30 dias. “Foram os piores dias da minha vida! Aparelho péssimo, chegando a me machucar várias vezes, além de causar constrangimentos por ter tantas coisas “enfiadas” em mim.

Naquela época, eu era atleta da Seleção Sorocabana de Vôlei e as roupas eram bem justinhas, os shorts enroscavam no adesivo que, por sua vez era enorme… enfim, nada agradável. A instalação era muito dolorosa, quis voltar para o uso da caneta nos primeiros cinco dias de experiência.

Até então, o pedido judicial estava em andamento e por um erro, recebi a bomba da Roche. Foi sensacional! Nunca tinha visto esse equipamento antes, mas quando comecei a usar, houve uma mudança total de vida. Conforto, facilidade, eficiência, indolor – nunca senti qualquer desconforto. Tudo muito prático e compacto. “É um alívio e um privilégio ser beneficiada com esse método de tratamento. Desejo que num futuro próximo, todos possam desfrutar do uso da bomba de infusão de insulina da Roche. Chega de dor, sofrimento e de passar vontade”, desabafa a jovem atleta.

Quanto à aceitação da doença, Isabella confessa nunca ter se revoltado com a condição. “Não vou passar a vida toda arrumando desculpas e pretextos só porque meu pâncreas não trabalha. Eu tenho todos os outros órgãos funcionando e, por isso, não devo me deprimir e desistir de lutar. Minha vida segue normal, agitada e feliz. Vergonha, nunca senti também. Diabetes é uma doença muito comum atualmente”.

Como toda jovem, ainda tem muitos sonhos e prefere chamar de metas; uma delas é se tornar faixa preta de jiu-jítsu e a outra é ser delegada, não se definindo ainda pela área civil ou federal. Futuramente, quem sabe ainda escreva um livro sobre a sua convivência com o diabetes e os esportes, com o propósito de encorajar pessoas no cuidado com a saúde para poder desfrutar do supremo milagre da natureza chamado Vida!

 

Veja mais:

Educação em diabetes é uma grande aliada no convívio diário com a condição

Bomba de insulina pode ser prescrita para crianças

Bomba de insulina traz mais liberdade para qualquer atividade

Portal De Bem Com a Vida

Feito com muito carinho por profissionais de saúde, comunicação e por quem entende e convive com Diabetes, para você ficar bem antenado.

More Posts

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

onu_miolo

O que as metas da ONU têm a ver com você?

No final de setembro, ocorreu a Reunião de Alto Nível sobre Prevenção e Controle de ...